Portugal NáuticoPortugal Náutico

Mensagens recentes

Páginas: 1 2 [3] 4 5 ... 10
21
DEPRESSÃO - EX CICLONE TROPICAL PAULETTE - AÇORES - COMUNICADO Nº 3

                                         
Informação  Meteorológica
Comunicado válido entre 2020-09-15 15:46 e 2020-09-19 13:00

Titulo: DEPRESSÃO - EX CICLONE TROPICAL PAULETTE - AÇORES - COMUNICADO Nº 3

Hoje, 17 de setembro, às 15:00 UTC (hora local) a depressão (ex-ciclone tropical PAULETTE) encontrava-se a aproximadamente 870 km a nor-noroeste (NNW) da ilha das Flores, com uma pressão mínima no seu centro de aproximadamente 980 mb, prevendo-se que nas próximas horas se desloque para sul (S).
Ao longo do dia de amanhã (6ª feira), prevê-se um agravamento gradual do estado do tempo nas ilhas do Grupo Ocidental, devendo registar-se um aumento da agitação marítima e da intensidade do vento e, a partir do final do dia, precipitação por vezes FORTE.
[Este é o último comunicado emitido sobre esta situação meteorológica. Sugere-se o acompanhamento dos Avisos Meteorológicos emitidos pelo IPMA].
Sugere-se o acompanhamento da evolução da situação meteorológica através da página do IPMA (www.ipma.pt) e a obtenção de eventuais recomendações junto do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (www.prociv.azores.gov.pt).

Data de Edição: Qui, 17 Set 2020 15:57:38




Fonte: www.ipma.pt
Publicada na fonte em: 2020-09-17 15:57:38
22
Meteorologia / [IPMA] Chuva forte após período seco
« Última mensagem por Informadora em Setembro 17, 2020, 18:16:02 »
Chuva forte após período seco

                                         
Informação  Meteorológica
Comunicado válido entre 2020-09-17 14:01 e 2020-09-20 23:59

Titulo: Chuva forte após período seco

Após uma sequência de dias quentes e secos, verifica-se uma mudança na situação meteorológica com ocorrência de aguaceiros, por vezes fortes, vento temporariamente forte e descida gradual de temperatura afetando todo o território continental. Esta situação persistirá, pelo menos, até domingo, dia 20 de setembro.
A precipitação mais intensa ocorrerá nos dias 17 e 18 e a partir da tarde do dia 19, sendo acompanhada de trovoada e pontualmente de granizo e rajadas fortes. O vento soprará por vezes forte, em particular no dia 18 nas regiões Centro e Sul e terras altas.
A temperatura irá descer, principalmente nos dias 17 e 18, prevendo-se para o fim-de-semana, de um modo geral, máximas entre 20 e 26°C e mínimas entre 12 e 18°C.
A agitação marítima no litoral da região Sul irá aumentar temporariamente no dia 18 com ondas de sudoeste com 2 a 3 metros.
A precipitação e vento previstos até à manhã de dia 19 estão associados a uma depressão que se localizava a cerca de 625 km a norte da Madeira (38.2°N 17.5°W) às 9UTC de 5ªfeira, 17 de setembro e que se irá deslocar para leste passando a localizar-se a cerca de 150 km a oeste da região de Lisboa (39.2°N 10.7°W) às 12UTC de 6ªfeira, 18 de setembro.
A evolução da depressão e da sua natureza tem vindo a ser monitorizada pelo IPMA e pelo National Hurricane Centre (NHC, responsável pela monitorização de furacões no Atlântico), existindo ainda neste momento uma probabilidade de 30% desta depressão (extra-tropical) se transformar numa depressão sub-tropical, isto é, adquirir algumas características que se verificam em ciclones tropicais.
Devido à incerteza associada à previsão meteorológica para este episódio, recomenda-se o acompanhamento da previsão e avisos meteorológicos para os próximos dias consultando:
http://www.ipma.pt/pt/otempo/prev.descritiva/
http://www.ipma.pt/pt/otempo/prev.significativa
http://www.ipma.pt/pt/otempo/prev-sam/
Para mais detalhes sobre a previsão para a navegação marítima consultar:
http://www.ipma.pt/pt/maritima/boletins/

Data de Edição: Qui, 17 Set 2020 14:05:34




Fonte: www.ipma.pt
Publicada na fonte em: 2020-09-17 14:05:34
23
Meteorologia / [IPMA] Chuva forte após período seco
« Última mensagem por Informadora em Setembro 17, 2020, 16:14:02 »
Chuva forte após período seco

                                         
Informação  Meteorológica
Comunicado válido entre 2020-09-17 14:01 e 2020-09-20 23:59

Titulo: Chuva forte após período seco

Após uma sequência de dias quentes e secos, verifica-se uma mudança na situação meteorológica com ocorrência de aguaceiros, por vezes fortes, vento temporariamente forte e descida gradual de temperatura afetando todo o território continental. Esta situação persistirá, pelo menos, até domingo, dia 20 de setembro.
A precipitação mais intensa ocorrerá nos dias 17 e 18 e a partir da tarde do dia 19, sendo acompanhada de trovoada e pontualmente de granizo e rajadas fortes. O vento soprará por vezes forte, em particular no dia 18 nas regiões Centro e Sul e terras altas.
A temperatura irá descer, principalmente nos dias 17 e 18, prevendo-se para o fim-de-semana, de um modo geral, máximas entre 20 e 26°C e mínimas entre 12 e 18°C.
A agitação marítima no litoral da região Sul irá aumentar temporariamente no dia 18 com ondas de sudoeste com 2 a 3 metros.
A precipitação e vento previstos até à manhã de dia 19 estão associados a uma depressão que se localizava a cerca de 625 km a norte da Madeira (38.2°N 17.5°W) às 9UTC de 5ªfeira, 17 de setembro e que se irá deslocar para leste passando a localizar-se a cerca de 150 km a oeste da região de Lisboa (39.2°N 10.7°W) às 12UTC de 6ªfeira, 18 de setembro.
A evolução da depressão e da sua natureza tem vindo a ser monitorizada pelo IPMA e pelo National Hurricane Centre (NHC, responsável pela monitorização de furacões no Atlântico), existindo ainda neste momento uma probabilidade de 30% desta depressão (extra-tropical) se transformar numa depressão sub-tropical, isto é, adquirir algumas características que se verificam em ciclones tropicais.
Devido à incerteza associada à previsão meteorológica para este episódio, recomenda-se o acompanhamento da previsão e avisos meteorológicos para os próximos dias consultando:
http://www.ipma.pt/pt/otempo/prev.descritiva/
http://www.ipma.pt/pt/otempo/prev.significativa
http://www.ipma.pt/pt/otempo/prev-sam/
Para mais detalhes sobre a previsão para a navegação marítima consultar:
http://www.ipma.pt/pt/maritima/boletins/

Data de Edição: Qui, 17 Set 2020 14:05:34




Fonte: www.ipma.pt
Publicada na fonte em: 2020-09-17 14:05:34
24
Meteorologia / [IPMA] CICLONE PÓS - TROPICAL PAULETTE - AÇORES - COMUNICADO Nº 2
« Última mensagem por Informadora em Setembro 17, 2020, 16:14:02 »
CICLONE PÓS - TROPICAL PAULETTE - AÇORES - COMUNICADO Nº 2

                                         
Informação  Meteorológica
Comunicado válido entre 2020-09-15 15:46 e 2020-09-18 15:46

Titulo: CICLONE PÓS - TROPICAL PAULETTE - AÇORES - COMUNICADO Nº 2

Hoje, 16 de setembro, às 15:00 UTC (hora local) o Ciclone Pós-Tropical PAULETTE encontrava-se a aproximadamente 1240 km a noroeste (NW) da ilha das Flores, com uma pressão mínima no seu centro de 973 mb, prevendo-se que nos próximos dias se mantenha com deslocamento para és-nordeste (ENE). Espera-se uma inversão para sul (S) no deslocamento do ciclone tropical na quinta-feira (dia 17 de setembro), podendo desta forma afetar o Grupo Ocidental (com uma probabilidade aproximadamente de 20%) no próximo fim-de-semana, já como tempestade pós-tropical.
Tendo em conta a distância geográfica e temporal a que o furacão se encontra, existe incerteza relativamente à sua trajetória e respectiva intensidade com que poderá atingir o Arquipélago.
[Novo comunicado será emitido dia 17 de Setembro às 16:00 UTC (hora local dos Açores)].

Sugere-se o acompanhamento da evolução da situação meteorológica através da página do IPMA (www.ipma.pt) e a obtenção de eventuais recomendações junto do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (www.prociv.azores.gov.pt).

Data de Edição: Qua, 16 Set 2020 15:59:01




Fonte: www.ipma.pt
Publicada na fonte em: 2020-09-16 15:59:01
25
Meteorologia / [IPMA] Climatologia de Tornados em Portugal
« Última mensagem por Informadora em Setembro 17, 2020, 15:30:09 »
Climatologia de Tornados em Portugal

O artigo científico Tornadoes in Portugal: An Overview, foi recentemente publicado na revista Atmosphere (MDPI), integrando o tema especial Tornadoes in Europe: Climatology, Forecasting, and Impact, e resultou da colaboração entre dois meteorologistas da divisão de Previsão Meteorológica e Vigilância (pode aceder ao artigo no link no final da notícia).


As principais motivações para este estudo foram melhorar o conhecimento deste tipo de fenómeno e dos seus impactes e contribuir para a climatologia de tornado na Europa.


Este trabalho apresenta uma nova base de dados de tornado, incluindo as caraterísticas de 195 eventos sobre terra e junto às costas de Portugal continental, Madeira e Açores, confirmados até 1 de Janeiro de 2020. Foram encontradas referências a tornados sobre o oceano desde o século XVI e relatos detalhados de tornado e/ou dos seus efeitos no território do continente desde o século XIX. A partir do ano 2000, os relatos de tornado foram confirmados com pesquisa sistemática da informação disponível incluindo, sempre que possível, visitas de campo aos locais afetados para inventariação dos efeitos.


Para 120 eventos reportados no território do Continente a partir de Janeiro de 2006, considerou-se uma abordagem inovadora ao associar uma análise extensiva de observações com radar Doppler que fundamentou uma classificação dos tipos de tornado, aos regimes sinóticos e ambientes atmosféricos envolvidos. Contrariamente ao que se verifica na maioria dos países do sul do continente Europeu, constatou-se que o fenómeno tornado, em Portugal, é raro durante os meses de Verão. Por outro lado apurou-se que, embora os tornados mais fortes (F3, escala de Fujita) e de maior duração tenham sido produzidos por supercélulas, uma fração significativa de tornados mais fracos e com menor duração mas ainda assim destrutivos, esteve associada a sistemas convectivos quasi-lineares (superfícies frontais frias).


Espera-se que a abordagem seguida pelos autores contribua para um melhor conhecimento das particularidades desta fenomenologia no nosso território e no continente europeu. Destaca-se o contributo esperado para melhorar a previsão meteorológica de prazo imediato e muito curto prazo (Nowcasting) deste tipo de fenómeno.





Fonte: www.ipma.pt
Publicada na fonte em: 2020-09-17 09:00:00
26
Meteorologia / [IPMA] CICLONE PÓS - TROPICAL PAULETTE - AÇORES - COMUNICADO Nº 2
« Última mensagem por Informadora em Setembro 16, 2020, 17:53:02 »
CICLONE PÓS - TROPICAL PAULETTE - AÇORES - COMUNICADO Nº 2

                                         
Informação  Meteorológica
Comunicado válido entre 2020-09-15 15:46 e 2020-09-18 15:46

Titulo: CICLONE PÓS - TROPICAL PAULETTE - AÇORES - COMUNICADO Nº 2

Hoje, 16 de setembro, às 15:00 UTC (hora local) o Ciclone Pós-Tropical PAULETTE encontrava-se a aproximadamente 1240 km a noroeste (NW) da ilha das Flores, com uma pressão mínima no seu centro de 973 mb, prevendo-se que nos próximos dias se mantenha com deslocamento para és-nordeste (ENE). Espera-se uma inversão para sul (S) no deslocamento do ciclone tropical na quinta-feira (dia 17 de setembro), podendo desta forma afetar o Grupo Ocidental (com uma probabilidade aproximadamente de 20%) no próximo fim-de-semana, já como tempestade pós-tropical.
Tendo em conta a distância geográfica e temporal a que o furacão se encontra, existe incerteza relativamente à sua trajetória e respectiva intensidade com que poderá atingir o Arquipélago.
[Novo comunicado será emitido dia 17 de Setembro às 16:00 UTC (hora local dos Açores)].

Sugere-se o acompanhamento da evolução da situação meteorológica através da página do IPMA (www.ipma.pt) e a obtenção de eventuais recomendações junto do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (www.prociv.azores.gov.pt).

Data de Edição: Qua, 16 Set 2020 15:59:01




Fonte: www.ipma.pt
Publicada na fonte em: 2020-09-16 15:59:01
27
Meteorologia / [IPMA] Chuva forte após período seco
« Última mensagem por Informadora em Setembro 16, 2020, 17:53:02 »
Chuva forte após período seco

                                         
Informação  Meteorológica
Comunicado válido entre 2020-09-16 15:23 e 2020-09-19 23:59

Titulo: Chuva forte após período seco

Após uma sequência de dias quentes e secos, a partir de dia 17 de setembro ocorrerá uma mudança na situação meteorológica com descida gradual de temperatura e aguaceiros que serão por vezes fortes e acompanhados de trovoada e afetando todo o território do continente. Esta situação persistirá, pelo menos, até sábado, dia 19 de setembro.
A precipitação mais intensa será mais provável a partir da manhã, evolui do litoral para o interior e pode ser acompanhada de trovoada. O vento soprará por vezes forte, em especial nas terras altas, com rajadas em particular no dia 18.
A temperatura irá descer gradualmente, em especial os valores máximos e mais notoriamente no dia 17, podendo atingir entre 5 e 8°C de diferença nas regiões do interior.
A agitação marítima na costa sul do Algarve irá aumentar temporariamente na tarde de dia 18 com ondas de sudoeste com 2 a 2,5 metros.
Esta situação será causada por bandas de precipitação associadas a uma depressão que se irá localizar a cerca de 600 km a norte da Madeira (38°N 17.5°W) às 12UTC de 5ªfeira, 17 de setembro, e que se irá deslocar para leste, passando a localizar-se a cerca de 200 km a sudoeste da região de Lisboa (38°N 11°W) às 12UTC de 6ªfeira, 18 de setembro.
A evolução da depressão e da sua natureza tem vindo a ser monitorizada pelo IPMA e pelo National Hurricane Centre (NHC, responsável pela monitorização de ciclones tropicais no Atlântico), tendo sido identificada uma probabilidade de 20% desta depressão extra-tropical se transformar numa depressão sub-tropical, isto é, adquirir algumas características que se verificam em ciclones tropicais. É de referir que, de acordo com a informação atual, esta possibilidade apenas se restringe a um período da sua trajetória sobre o mar e, portanto, sem afetar as regiões costeiras do território nacional (continente e ilhas).
Devido à incerteza associada à previsão meteorológica para este episódio, recomenda-se o acompanhamento da previsão e avisos meteorológicos para os próximos dias consultando:
http://www.ipma.pt/pt/otempo/prev.descritiva/
http://www.ipma.pt/pt/otempo/prev.significativa
http://www.ipma.pt/pt/otempo/prev-sam/
Para mais detalhes sobre a previsão para a navegação marítima consultar:
http://www.ipma.pt/pt/maritima/boletins/

Data de Edição: Qua, 16 Set 2020 15:23:52




Fonte: www.ipma.pt
Publicada na fonte em: 2020-09-16 15:23:52
28
Meteorologia / [IPMA] Chuva forte após período seco
« Última mensagem por Informadora em Setembro 16, 2020, 16:52:02 »
Chuva forte após período seco

                                         
Informação  Meteorológica
Comunicado válido entre 2020-09-16 15:23 e 2020-09-19 23:59

Titulo: Chuva forte após período seco

Após uma sequência de dias quentes e secos, a partir de dia 17 de setembro ocorrerá uma mudança na situação meteorológica com descida gradual de temperatura e aguaceiros que serão por vezes fortes e acompanhados de trovoada e afetando todo o território do continente. Esta situação persistirá, pelo menos, até sábado, dia 19 de setembro.
A precipitação mais intensa será mais provável a partir da manhã, evolui do litoral para o interior e pode ser acompanhada de trovoada. O vento soprará por vezes forte, em especial nas terras altas, com rajadas em particular no dia 18.
A temperatura irá descer gradualmente, em especial os valores máximos e mais notoriamente no dia 17, podendo atingir entre 5 e 8°C de diferença nas regiões do interior.
A agitação marítima na costa sul do Algarve irá aumentar temporariamente na tarde de dia 18 com ondas de sudoeste com 2 a 2,5 metros.
Esta situação será causada por bandas de precipitação associadas a uma depressão que se irá localizar a cerca de 600 km a norte da Madeira (38°N 17.5°W) às 12UTC de 5ªfeira, 17 de setembro, e que se irá deslocar para leste, passando a localizar-se a cerca de 200 km a sudoeste da região de Lisboa (38°N 11°W) às 12UTC de 6ªfeira, 18 de setembro.
A evolução da depressão e da sua natureza tem vindo a ser monitorizada pelo IPMA e pelo National Hurricane Centre (NHC, responsável pela monitorização de ciclones tropicais no Atlântico), tendo sido identificada uma probabilidade de 20% desta depressão extra-tropical se transformar numa depressão sub-tropical, isto é, adquirir algumas características que se verificam em ciclones tropicais. É de referir que, de acordo com a informação atual, esta possibilidade apenas se restringe a um período da sua trajetória sobre o mar e, portanto, sem afetar as regiões costeiras do território nacional (continente e ilhas).
Devido à incerteza associada à previsão meteorológica para este episódio, recomenda-se o acompanhamento da previsão e avisos meteorológicos para os próximos dias consultando:
http://www.ipma.pt/pt/otempo/prev.descritiva/
http://www.ipma.pt/pt/otempo/prev.significativa
http://www.ipma.pt/pt/otempo/prev-sam/
Para mais detalhes sobre a previsão para a navegação marítima consultar:
http://www.ipma.pt/pt/maritima/boletins/

Data de Edição: Qua, 16 Set 2020 15:23:52




Fonte: www.ipma.pt
Publicada na fonte em: 2020-09-16 15:23:52
29
Meteorologia / [IPMA] FURACÃO PAULETTE - AÇORES - COMUNICADO Nº 1
« Última mensagem por Informadora em Setembro 16, 2020, 16:52:02 »
FURACÃO PAULETTE - AÇORES - COMUNICADO Nº 1

                                         
Informação  Meteorológica
Comunicado válido entre 2020-09-15 15:46 e 2020-09-18 15:46

Titulo: FURACÃO PAULETTE - AÇORES - COMUNICADO Nº 1

Hoje, 15 de setembro, às 15:00 UTC (hora local) o furacão PAULETTE encontrava-se a 915 km a nordeste (NE) das Bermudas, com uma pressão mínima no seu centro de 965 mb, prevendo-se que nos próximos dias se mantenha com deslocamento para nordeste (NE). Espera-se uma inversão para sul (S) no deslocamento do ciclone tropical entre quinta-feira e sexta-feira, podendo desta forma afetar o Grupo Ocidental (com uma probabilidade aproximadamente de 20%) no próximo fim-de-semana, já como tempestade pós-tropical.
Tendo em conta a distância geográfica e temporal a que o furacão se encontra, existe incerteza relativamente à sua trajetória e respectiva intensidade com que poderá atingir o Arquipélago.
[Novo comunicado será emitido dia 16 de Setembro às 16:00 UTC (hora local dos Açores)].

Sugere-se o acompanhamento da evolução da situação meteorológica através da página do IPMA (www.ipma.pt) e a obtenção de eventuais recomendações junto do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (www.prociv.azores.gov.pt).

Data de Edição: Ter, 15 Set 2020 15:46:13




Fonte: www.ipma.pt
Publicada na fonte em: 2020-09-15 15:46:13
30
Meteorologia / [IPMA] Preservação da Camada de Ozono
« Última mensagem por Informadora em Setembro 16, 2020, 11:02:08 »
Preservação da Camada de Ozono

O Dia Internacional para a Preservação da Camada de Ozono, assinala-se hoje, 16 de setembro, e foi estabelecido pela ONU em 1994.


Na edição de maio de 1985 da revista Nature, os cientistas britânicos Farman, Gardiner e Shanklin reportavam valores extremamente baixos da quantidade total de ozono observados durante os meses de outubro a março na Base de Halley Bay na Antártida.



As medições de ozono efetuadas com o espetrómetro TOMS (Total Ozone Mapping Spectrometer) instalado a bordo do satélite Nimbus-7 da NASA, que até aí tinham sido sistematicamente rejeitadas por serem consideradas extremamente baixas, tiveram de ser reavaliadas desde 1976, mostrando assim a verdadeira extensão do fenómeno observado em Halley Bay.



Esta descoberta constituiu um verdadeiro choque para a comunidade científica internacional, pondo a descoberto uma ameaça de proporções globais com consequências a curto-médio prazo, sobretudo resultantes do aumento da radiação ultravioleta à superfície.



Mais tarde, Crutzen, Molina e Rowland, receberiam o Nobel da Química em 1995, pelo seu trabalho onde atribuíam a destruição massiva do ozono à ação dos clorofluorcarbonos (CFCs) de origem antropogénica.



Desde essa altura, em todo o mundo foram tomadas medidas para reforçar as medições de ozono com vista a compreender melhor este fenómeno.

Sob a égide do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUA) produziram-se negociações que levaram à declaração política em 1985, da Convenção de Viena; esta convenção foi seguida, em 1987, por um acordo de ação internacional, o Protocolo de Montreal. O Protocolo foi um êxito; estima-se que até 2009, se tenha eliminado o consumo de cerca de 98% dos produtos químicos nocivos para o ozono; estima-se ainda que mais de 250 milhões de casos de cancro da pele e cerca de 50 milhões de casos de catarata terão sido evitados até o final do século.



A nível nacional, o Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica (INMG) adquiriu em 1987 dois espectrofotómetros Brewer, financiados pela Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica (JNICT) com o objetivo de reforçar o programa de observação de ozono que nessa data possuía já uma estação em Lisboa.



Assim, Lisboa possui uma das mais antigas estações mundiais de observação de ozono; estas observações iniciaram-se nos anos 60 do século XX, continuando no presente a ser realizadas com o espectrofotómetro de ozono de Dobson #13 cedido pela International Ozone Commission (IOC). 



Os novos instrumentos adquiridos (Brewer) de funcionamento automático, permitiam a realização de um maior número de observações que incluíam também a radiação solar ultravioleta, aumentando e melhorando significativamente o programa de observações manuais com o espectrofotómetro Dobson.

Inicialmente, estes instrumentos foram instalados em Lisboa e no Observatório do Funchal; mais tarde, foram instalados no Observatório José Agostinho em Angra do Heroísmo e no Observatório das Penhas Douradas. Estes novos instrumentos permitiram cobrir a totalidade do território nacional e, ao mesmo tempo, uma vasta região do Atlântico Norte que carecia de medições de superfície, contribuindo assim para uma melhor compreensão da dinâmica do ozono estratosférico.



O êxito no cumprimento do protocolo de Montreal bem como a crescente preocupação com o aquecimento global (enquanto aspeto mais mediático das alterações climáticas devido ao aumento dos combustíveis fósseis),  contribuíram para uma diminuição do atenção à questão do ozono estratosférico; consequentemente, verificaram-se reduções significativas do financiamento dos programas de monitorização do ozono na última década ficando, por isso, inoperativos muitos dos espectrofotómetros, quer em Portugal quer no resto do mundo.



No entanto, a monitorização atmosférica continua a ser necessária para acompanhar a evolução do ozono na estratosfera e, consequentemente, verificar se as medidas que foram tomadas para a redução das substâncias que o destroem foram realmente bem-sucedidas.



Há três anos, o IPMA retomou o programa de observações de ozono em Lisboa com o espectrofotómetro Dobson e na ilha Graciosa com o espectrofotómetro Brewer.





Fonte: www.ipma.pt
Publicada na fonte em: 2020-09-16 09:00:00
Páginas: 1 2 [3] 4 5 ... 10